INDEPENDÊNCIA SE FAZ COM MUITA LUTA
 
Voltamos ao mercado de trabalho depois de muita luta, de muito pelejar. Somos persistentes e esta é a marca principal da nossa resistência. Nesses meses todos de abandono e descaso a que fomos submetidos com o fechamento da Tribuna de Alagoas, passamos por diversas necessidades e privacidades que não nos deixaram fraquejar diante dos infortúnios que fomos obrigados a passar por conta a irresponsabilidade dos senhores Ronaldo Lessa e Robert de Lyra, antigos administradores do jornal Tribuna de Alagoas.
Agora somos a Tribuna Independente que é o principal produto da Cooperativa dos Jornalistas e Gráficos do Estado de Alagoas. Queremos fazer um agradecimento de pronto a todos aqueles amigos que nos apoiaram e nos deram o incentivo para que continuássemos. Aos sindicatos parceiros, à Central Única dos Trabalhadores, aos deputados Judson e Paulão e a todos aqueles que entenderam que a nossa proposta era viável e que confiaram em nós para desempenhar esse papel na sociedade alagoana.
 
Olívia de Cássia Correia de Cerqueira – Diretora-secretária da Jorgraf
Amigos,
 
 
Já somos a Cooperativa dos Jornalistas e Gráficos de Alagoas - Jorgraf. O jornal Tribuna Independente já está nas bancas. Para todos aqueles que foram solidários e nos deram o incentivo de ir em frente na nossa caminhada, os nossos agradecimentos, o nosso carinho e a certeza de que o nosso empreendimento vem fortalecer o jornalismo em Alagoas.
 
Ontem à noite recebemos amigos, parceiros e incentivadores da nossa proposta de cooperativa e nos emocionamos por demais com o calor fraterno daqueles que nos visitaram e que nos apoiaram. Vamos em frente que a luta está só começando.
 
 Para quem ainda não foi nos visitar, faça-nos uma visita e interaja conosco. Leia o nosso informativo que promete fortalecer ainda mais o jornalismo alagoano.

Tribuna Independente será lançada no dia 10

 

 

Sob o comando dos trabalhadores da extinta Tribuna de Alagoas, será lançado no próximo dia 10 de julho, em edições diárias, o jornal Tribuna Independente, tornando realidade o sonho da maioria dos jornalistas e gráficos da empresa, que amargam dificuldades financeiras há seis meses, patrocinas pelo descaso com que os antigos administradores da Tribuna (Ronaldo Lessa e Bob Lyra) conduziram o processo.

O jornal vem saindo semanalmente em edições que circularam ora no domingo, ora às segundas-feiras (foram produzidas pelo menos onze edições) para aproveitar o material que os funcionários dispunham na empresa. Mas a partir do momento em que perceberam que poderiam ir mais longe, resolveram aceitar o desafio: criaram a  JorGraf – Cooperativa dos Jornalistas e Gráficos de Alagoas , assumiram o comando da empresa e estão lançando o jornal em edições diárias.

Os profissionais da comunicação da TI terão  um grande desafio pela frente e já estão contando com alguns parceiros que poderão se tornar permanente.

 

Jornalistas trabalham nas edições semanais

 e se preparam para a edição diária

 

Cooperativa dos jornalistas e gráficos já é uma realidade em Alagoas

 

        Foi eleita na noite desta segunda-feira a diretoria da Cooperativa dos Jornalistas e Gráficos do Estado de Alagoas composta, em sua maioria, de funcionários do extinto jornal Tribuna de Alagoas.

O diretor-presidente da entidade é o jornalista Antônio Pereira, o diretor-tesoureiro é Paulo Gabriel, atual presidente do Sindicato dos Gráficos,  e a diretora-secretária será a jornalista Olívia de Cássia Correia de Cerqueira. Também foram eleitos na noite de hoje os conselhos Fiscal e Administrativo da entidade.

        O  produto-chefe da cooperativa, segundo os diretores,  será o jornal Tribuna Independente, que será um jornal diário, cujo lançamento nas ruas  está previsto para acontecer no 10 de julho. Por enquanto, o jornal Tribuna Independente circulará aos domingos, até que sejam feitos os ajustes necessários à sua circulação diária. E de acordo com os diretores da cooperativa, os parceiros serão bem-vindos.

Cooperativa dos jornalistas e gráficos

 

* Olívia de Cássia Correia de Cerqueira

 

Os trabalhadores da Tribuna de Alagoas, agora Tribuna Independente, têm muito a comemorar com a formação da nova Cooperativa dos Jornalistas e Gráficos do Estado de Alagoas. Na noite deste 11 de junho de 2007, foi lido e aprovado o estatuto social da entidade que será encaminhado aos advogados da OCB - Organização das Cooperativas Brasileiras, seccional de Alagoas, para que dê o parecer final sobre o documento.

O surgimento da cooperativa é um marco para todos nós funcionários da Tribuna, que estamos desde o mês de dezembro do ano passado sem receber nossos salários, e devemos comemorar essa nova conquista esperando que venha a trazer muitos frutos para todos nós. Sabemos que o processo não vai ser fácil, mas estamos com muita vontade de que o empreendimento dê certo.

Se o negócio for à frente e tivermos fôlego, já é quase certo que o jornal será diário, estando nas ruas de terça a domingo. Por enquanto, as edições estão sendo semanais e a partir da próxima semana vai circular no domingo com fechamento no sábado.

Já temos muitos parceiros interessados no nosso empreendimento e isso nos deixa orgulhosos de saber que temos a perspectiva de ter o nosso próprio negócio. No mais tardar, na próxima semana, devemos estar com o regimento interno da cooperativa pronto para ser registrado também.

Enquanto isso, os nossos algozes, os caloteiros de plantão, sumiram do circuito e nem sequer procuram saber da empresa. Uma prova que só queriam angariar seus lucros e que não estavam nem aí para a Tribuna, em detrimento de nós, funcionários, que apesar de todo o sofrimento que estamos passando com as dificuldades financeiras, estamos tomando conta do patrimônio da empresa e tocando em frente o jornal, mesmo com dificuldades.

O ex-governador Ronaldo Lessa ganhou um cargo no ministério do Trabalho do governo Lula, mesmo com todas as nossas denúncias do calote dele e de seu grupo aos funcionários da empresa. Lessa foi a maior decepção para a maioria dos profissionais de comunicação da empresa que votaram nele, inclusive eu, que achavam que ele ia tocar o jornal para frente.

Infelizmente, no Brasil em que vivemos, principalmente em nosso Estado, pessoas envolvidas em deslizes e irregularidades são premiadas com cargos públicos e se beneficiam das brechas que a lei permite para ficarem pulando de setor em setor sem ser punidos com isso, dependendo de cada acordo político que faz com o poder. Isso é muito visível nos dias de hoje e é lamentável para a democracia e para o estado brasileiro.

 

*É jornalista.

Trabalhadores da Tribuna formalizam cooperativa

Foto Olívia de Cássia (Arquivo)

 

Sindjornal deixa movimento e entrega coordenação aos funcionários

Jornalistas e gráficos devem formalizar nesta sexta-feira a criação da cooperativa que dará continuidade ao jornal Tribuna de Alagoas. Assembléia marcada para as 18 horas, na sede da empresa, definirá o estatuto e elegerá a primeira diretoria da cooperativa dos trabalhadores, que ficará responsável pelas ações administrativas, financeiras e de produção.

Com o avanço na organização dos trabalhadores, o Sindicato dos Jornalistas deixou a coordenação do movimento, incluindo a ocupação da empresa, que dura cerca de dois meses. A decisão foi comunicada aos profissionais em sua última assembléia, realizada terça-feira. O Sindicato manterá apenas o apoio político aos cooperados e a assistência jurídica para os jornalistas que movem ação contra os antigos proprietários - visando receber os salários e as verbas rescisórias que não foram pagos.

A criação da cooperativa na Tribuna de Alagoas vem tendo o apoio e a orientação da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Seccional Alagoas. Os trabalhadores já tiveram palestra e curso sobre cooperativismo, tirando dúvidas a respeito do que é uma cooperativa, como funciona e quais as suas responsabilidades. Também houve palestra de professores da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) a respeito de financiamento e linha de crédito.

A intenção dos jornalistas e gráficos da Tribuna de Alagoas é voltar com o jornal diário a partir de 1º de julho. Para tanto, a coordenação provisória da cooperativa já fez contatos com empresas, órgãos públicos e outros futuros parceiros, visando estabelecer contratos de publicidade. Atualmente o jornal está sendo editado e distribuído uma vez por semana (segunda-feira), com material deixado pelos antigos proprietários. Os membros da cooperativa ainda não decidiram se vão manter o matutino com o nome de Tribuna Independente, como vem sendo desde a ocupação da empresa.

COOPERATIVA

 

Ceal não cortará energia da Tribuna

Foto: Sandro Lima

 

Representantes dos sindicatos dos Jornalistas e dos Gráficos da Tribuna de Alagoas tiveram uma audiência com o presidente da Ceal, Joaquim Brito, ontem, 4 de junho,  para pedir a compreensão dele no sentido de que a Companhia Energética não corte a energia do prédio já que seus antigos administradores, Ronaldo Lessa e Bob Lyra,  deram um grande calote na Ceal.

Em consideração aos trabalhadores, o presidente Joaquim Brito garantiu que não vai cortar a energia  e deu um prazo de três meses, até que seja constituída a cooperativa dos jornalistas e gráficos, para que os trabalhadores apresentem a documentação necessária à empresa, no sentido de que a energia passe a ser cobrada da cooperativa e o débito anterior seja encaminhado aos antigos devedores.

Brito também solicitou que fosse feita uma correspondência endereçada à empresa e aos cuidados do sr. Jackson Pacheco de Macedo, solicitando a revisão da demanda contratada.

A audiência com Joaquim Brito foi conseguida por intermédio do deputado Paulo Fernando dos Santos (Paulão-PT) e participaram da reunião os jornalistas Sandro Lima, Olívia de Cássia; representando os gráficos foram o presidente do Sindicato dos Gráficos Paulo Gabriel e Alexandre Moreira.

Funcionários da Tribuna têm aula de cooperativismo

 

 

Os jornalistas e gráficos da Tribuna de Alagoas receberam na noite de ontem uma aula sobre cooperativismo, ministrada pela professora Araci, da Organização das Cooperativas Brasileiras do Estado de Alagoas, que estava acompanhada de um  advogado e de mais duas representantes do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo do Estado de Alagoas – Sescoop/AL.

Quarenta e seis trabalhadores da empresa que estão sem receber seus salários desde dezembro participaram atentamente da aula e puderam ter noções do que seja um sistema de cooperativa.

“Depois dessa aula e de maior entendimento sobre o que é o sistema de cooperativa é que os alunos vão poder decidir se realmente querem participar do empreendimento”, disse a professora.

Vários questionamentos foram feitos à palestrante e no final ela sugeriu que fossem formadas duas comissões: uma de jornalistas e outra de gráficos para conversarem mais sobre o assunto e tirarem suas dúvidas na sede da OCB.

Tribuna Independente nas bancas nesta segunda, 28

Os jornalistas, gráficos  e demais funcionários da Tribuna já estão ultimando a edição de amanhã da Tribuna Independente,  que estará nas bancas logo cedo. Adquira seu exemplar e contribua com a causa dos trabalhadores.

 

ASSEMBLÉIA

 

Nesta segunda-feira, às 18h, tem assembléia para discutir os rumos da cooperativa dos funcionários da Tribuna.  

Trabalhadores da Tribuna continuam esquecidos pelos caloteiros

 

Passados mais de quatro meses, os trabalhadores da Tribuna de Alagoas continuam

"esquecidos" pelos proprietários da empresa, o usineiro Roberto "Bob" Lyra e Ronaldo Lessa, agora secretário-executivo do Ministério do Trabalho (!). Abandonaram o barco tal como fazem os ratos ante a  tormenta, deixando a todos sem salários, indenizações  e demais direitos trabalhistas.

Ambos insistem em negar vínculo com o jornal. Mentem descaradamente. A Tribuna de Alagoas estava arrendada ao grupo Editar, do atual senador Fernando Collor, até o

final de 2003, quando "quebrou". Foi assumida,  também por arrendamento, pela ETN (Empresa Tribuna de Notícias), criada por Bob Lyra e Ronaldo Lessa e inscrita no nome de Lucas Normande, então homem de confiança de ambos.

No primeiro momento, Bob Lyra investiu bastante dinheiro na empresa. Claro, foi ressarcido posteriormente, sem contabilização oficial, a partir de verbas publicitárias do governo estadual despejadas por Lessa na Tribuna e de recursos (também não contabilizados) da Assembléia Legislativa, que eram liberados a cada repasse do duodécimo. A rigor, nunca se soube quanto de fato o jornal chegou a arrecadar com esses esquemas.

A grande motivação para Bob e Lessa criarem  a ETN e assumirem a Tribuna foi política. Bob pretendia ser candidato a deputado federal e Lessa precisava de um veículo de comunicação para  sua sustentação na mídia. O interesse do usineiro  estremeceu em fins de 2004, quando reprovou o  apoio editorial dado pela Tribuna, por orientação de Lessa, à candidatura de Alberto Sextafeira à Prefeitura de Maceió. Não queria contrariar o tio João Lyra, patrono da candidatura de Cícero Almeida.

Ano seguinte, Bob desistiu da candidatura. Fala-se que sua filiação ao PSB não foi aceita; diz-se também que foi convencido de que não tem vocação legislativa. Provavelmente as duas versões são verdadeiras. A partir de então deixou que Lessa e seu grupo assumissem o comando da  Tribuna.

Este jornal serviu aos interesses políticos e econômicos de Lessa e familiares. Não à toa, Ronaldo Lessa colocou na superintendência da Tribuna seu irmão Geraldo, envolvido no escândalo de desvio de dinheiro do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) quando diretor da Fundação Teotônio Vilela. Geraldo promoveu farras com dinheiro da Tribuna, enquanto paralelamente atrasava os salários de seus trabalhadores. Confiava,  certamente, em que não faltariam verbas publicitárias do governo e, principalmente, na impunidade.

Confiava, ainda, juntamente com o irmão Ronaldo, que esse quadro pouco mudaria com o

governo Teotonio Vilela Filho. Ambos proclamam que durante a campanha para o governo fecharam um acordo pelo qual Téo Vilela pagaria cerca de R$ 800 mil e, se eleito, manteria as publicidades oficiais, em troca do apoio editorial do jornal. Se houve o acordo (e teria sido em caráter apenas verbal), Téo não cumpriu. Aliás, diz não reconhecê-lo.

Sem o dinheiro esperado e as verbas publicitárias, Lessa e Cia. alegaram “descapitalização”

para arcar com os custos da Tribuna, em especial a remuneração dos trabalhadores. Tampouco se dispôs a socorrer financeiramente a empresa lançando mão de suas insondáveis economias.

A Tribuna Independentes estará logo mais nas bancas. Adquira o seu exemplar e contribua com causa dos funcionários que estão desde dezembro sem receber salários. Tribuna Independente, ao preço de R$ 1, nas bancas, ou nos pedágios dos alunos do curso de Comunicação Social.

 

 

Amanhã, a partir das 18h, tem assembléia dos funcionários da Tribuna. Na pauta a criação da nossa cooperativa, com a presença de professores da Universidade Federal de Alagoas - Ufal

Levaram o carro

Os trabalhadores do Jornal Tribuna Independente viveram, na noite de ontem, mais uma experiência desagradável. Presenciaram a retirada do um dos veículos utilizados pela reportagem, que foi levado em cumprimento a um mandado judicial. O veículo, que já estava parado a um ano, foi empenhado no INSS como garantia do pagamento de dívidas com o órgão.

Ontem, durante mais uma assembléia na redação do jornal, os oficiais de justiça compareceram e cumpriram a determinação da justiça.

Compre amanhã, na bancas, a nova edição da Tribuna Independente

Trabalhadores da Tribuna Ocupada fazem os últimos preparativos para a edição de amanhã da Tribuna Independente.

COBRANDO NA PORTA

Trabalhadores farão passeata na orla

Os jornalistas, gráficos e pessoal administrativo da Tribuna preparam uma passeata pela orla marítima de Maceió para cobrar dos (ir)responsáveis pelo jornal os salários atrasados e as indenizações. Além da caminhada pelas praias de Pajuçara e Ponta Verde, para chamar a atenção da população, os trabalhadores vão passar pelo prédio de cada um dos proprietários e diretores, com faixas e carro de som, para levar a conta do calote. Serão visitados os endereços do ex-governador Ronaldo Lessa, da família Bob Lyra, do superintendente Geraldo Lessa, do diretor financeiro Vorney Mendes e do diretor Lucas Normande. O movimento será reforçado por lideranças sindicais de várias categorias, além da CUT.

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]